CACHORRO-DO-MATO-VINAGRE

 

Família

Pertence à ordem carnivora e à família canidae. Carnívoros contém 240 espécies em 7 famílias. 2 não existem no novo mundo: hienas (hyenidae) e mangustos (viverridae). São divididos em duas sub-ordens: Canniformia (cães, ursos, guaxinins e doninhas) e Feliformia (gatos, mangustos e hienas).

Caninos são cerca de 35 espécies em todo o mundo e contém cães, raposas, lobos, coiotes e chacais. O cão doméstico (Canis familiaris) é um deles, abrangendo mais de 400 raças. Apesar de serem espécies distintas há milhões de anos, cães domésticos, chacais, coiotes e lobos ainda podem acasalar entre si. Os dentes caninos (do latim caninus que significa "pertencente a um cachorro") são importantes armas para ferir e segurar as presas mas não são tão agudos como nos felinos. Eles não matam suas presas com uma mordida poderosa como os felinos e mustelídeos. Presas grandes são esvisceradas até a morte, estratégia típica de espécies que caçam em bandos.

Canídeos não são exclusivamente carnívoros. São bastante uniformes em forma, embora o comprimento proporcional de seus membros varie. Tem 5 dedos nas patas dianteiras e 4 nas traseiras, os primeiros das dianteiras não tocam o chão. Principal diferença de suas pegadas em relação aos felinos é que maioria dos caninos tem garras não retráteis, e marcas de garras são normalmente visíveis em suas pegadas, enquanto felinos que quase sempre retraem suas garras ao andar, quase nunca deixam marcas de suas garras.

A maioria tem boa visão, e principalmente aqueles que vivem em bandos dependem de um complexo conjunto de sinais visuais, como expressões faciais e posturas corporais para se comunicar quando juntos. Experimentos tem sugerido que como os gatos tem visão de cores muito limitada. Tem uma audição excelente, mas que duas vezes maior que a nossa. Essa capacidade auditiva ajuda a detectar roedores, que se comunicam através de ultra-som, os quais são as principais presas de muitas espécies. Também tem ótimo olfato, utilizado para caçar, se comunicar e para reconhecer companheiros. Duradouros laços sociais, raros nos carnívoros, são comuns nos caninos, e jovens tendem a depender mais de seus pais. Durante o acasalamento a ponta do pênis do macho incha e não pode ser retirada, fazendo com que eles fiquem juntos por mais de meia hora e aumentando a chance de engravidar a fêmea, antes que a mesma venha a acasalar com outro macho, como muitas o fazem.

 

Características

Menor canídeo do Brasil, são os mais sociáveis entre os canídeos de pequeno porte, vivendo em bandos de 2 a 12 indivíduos. Tem 57 a 75cm de comprimento, 12 a 15cm de cauda e pesa de 5 a 8Kg. Tem corpo comprido e pernas curtas, são geralmente avermelhados e filhotes nascem com coloração acinzentada.

 

Comportamento

Vive em florestas, ocorrendo geralmente perto de fontes de água, e mais raramente em cerrados no Brasil e no Paraguai. Olfato desempenha papel importante, são principalmente diurnos passando as noites em tocas. Territórios tem aproximadamente 4,5Km2. Usam urina na demarcação do mesmo, apoiando-se nas duas patas dianteiras e erguendo o troco e as patas traseiras para urinar em uma árvore ou pedra conseguindo dessa forma atingir uma altura maior que conseguiria se estivesse nas 4 patas.

Possui um rico repertório vocal, utilizado por exemplo durante o forrageio em grupo, quando emite curtos ganidos para se comunicar. Já foi registrado em cativeiro imitando a vocalização de uma gralha picaça, por isso acredita-se que imite vocalizações de suas presas com o objetivo de capturá-las. Nada e mergulha.

 

Alimentação

Principalmente carnívoros, caçam normalmente grandes roedores como pacas e cutias. Também alimenta-se de ratos, coelhos, gambás, tatus, quatis, lagartos teiú, cobras e aves terrestres. Caçam em grupos pequenos e médios, sendo uma estratégia vantajosa, já que são pequenos. Caçando em bandos consegue matar presas maiores como capivaras, emas, veados e mesmo a anta, empregando uma variedade de estratégias de caça cooperativa. Atacam as pernas de animais grandes até a queda dos mesmos, perseguindo suas presas mesmo em águas profundas.

 

Gestação

Se reproduz o ano todo, com macho e fêmea se separando do grupo nesse período. Gestação varia de 60 a 83 dias, quando nascem 1 a 6 filhotes que são desmamados após 75 dias. Macho auxilia a fêmea durante toda a fase de cuidado parental e indivíduos jovens que permanecerem com seus pais após  atingirem a maturidade sexual não se reproduzem.

 

Conservação

Ocorre do norte da Argentina até o sul do Panamá. No Brasil ocorre na Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica e no Pantanal. É um mamífero raro e sua conservação deve ser incentivada, pois queimadas, desmatamento e diminuição de alimento como a paca também é preocupante. Antes se distribuía por quase todo o Brasil, mas hoje possui populações bastante fragmentadas e confinadas em unidades de conservação. São ameaçados pela perda de habitat e por perseguição direta por serem acusados de predarem animais domésticos. Considerada ameaçada de extinção pela IUCN e vulnerável no Brasil, provavelmente já está extinta em Minas Gerais e criticamente em perigo de extinção no Paraná e em São Paulo.