ANTA

Tapirus terrestris

Família

Os mamíferos ungulados (do latim”com cascos”) estão divididos em duas ordens: Perissodactyla (com número ímpar de dedos) e Artiodactyla (com número par de dedos). As antas pertencem à ordem Perissodactyla. Essa ordem é formada por três famílias: rhinocerotidae (os rinocerontes), equiidae (cavalos e outros equídeos) e tapiridae (as antas). É o único membro dessa ordem originário da América do Sul, os cavalos foram introduzidos pelos europeus. Seus parentes mais próximos na América do Sul são os veados e os suínos (catetos e queixadas), que também são ungulados mas com número par de dedos, pertencendo à ordem Artiodactyla.

Existem 4 espécies de antas no mundo: uma na Ásia, uma na América Central e duas na América do Sul. A única fácil de se ver é a anta brasileira, no pantanal.

 

Características

A anta brasileira é o mamífero terrestre mais pesado da América do Sul. Fêmeas normalmente são maiores que machos e um adulto pesa de 180 a 300Kg. Tem 1 metro de altura e 2 metros de comprimento. Possuem dentes fortes e uma pequena tromba móvel e sensível ao toque que a ajuda a se alimentar. Tem visão pobre mas boa audição e ótimo olfato, farejando o ar constantemente.

O couro é grosso e resistente, protegendo contra a vegetação densa e muitas vezes espinhosa e também contra predadores. Muitas vezes apresenta cicatrizes na pela de ataques de onças, seu principal predador.

 

Comportamento

Vivem em áreas densas sempre próximas de rios e lagos. São solitárias e tem hábitos noturnos, descansando de dia. São excelentes nadadoras e gostam de se enlamear para se livrar de carrapatos e moscas. Como os cavalos elas exibem os lábios sempre que ficam irritadas. Usam urina e fezes para demarcar seu território e 4 tipos de sons em suas interações sociais.

 

Alimentação

São herbívoras, se alimentando de frutas e uma grande diversidade de plantas, flores, folhas, cascas e até galhos, que em uma floresta tropical a ajuda a evitar um grande acumulo de toxinas de uma única planta. Usam olfato para encontrar e identificar alimentos, passando seus focinhos sobre qualquer alimento antes de comer.

Digestão é mais rápida mas menos eficiente que de ruminantes, absorvendo um percentual menor de carboidratos. Digestão mais rápida também faz com que muitas sementes passem pelo trato digestivo sem danos, e com maior capacidade de germinar longe das plantas mãe.

 

Gestação

Há poucos dados sobre reprodução na natureza. São provavelmente polígamas, com machos procriando com varias fêmeas mas cada fêmea com apenas um macho. Possuem normalmente 1 único filhote após 13-14 meses e machos não ajudam a criar filhotes. Filhotes nascem com manchas brancas que servem de camuflagem contra predadores e desaparecem com aproximadamente 6 meses.

 

Conservação

As antas tem sido chamadas de "Jardineiras da Floresta" pela sua importância ecológica como dispersora de sementes das frutas que se alimenta. Muitas árvores dependem totalmente dela para dispersar suas sementes.Ao consumir uma grande quantidade  e variedade de alimentos, tem a função de manter a heterogeneidade de seus habitats, diminuindo a abundância de espécies preferidas.

Principais responsáveis pela redução na população de antas são a perda de habitat devido ao desmatamento e a caça ilegal. Esta classificada como Vulnerável pela IUCN, algumas populações no Brasil apresentam níveis consideravelmente mais elevados de ameaça. A anta quase desapareceu da Caatinga e populações do Cerrado e da Mata Atlântica foram bem reduzidas.